Produção de Conhecimento sobre Gestão Social no Observatório Social de Belém/Pará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36428/revistadacgu.v12i21.199

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir a produção de conhecimento sobre gestão social a partir das práticas do Observatório Social de Belém (OSB). Os observatórios sociais podem ser implantados por governos nacionais e locais, universidades e por organizações da sociedade civil. Um princípio básico entre eles é o de monitorar de forma sistemática o funcionamento de um setor ou tema específico. Por considerar que o conhecimento se produz por meio de interações sociais, o estudo se apoiou na pesquisa bibliográfica cujas discussões permearam as temáticas que envolvem a gestão social, a produção de conhecimento socioprática com foco nas dinâmicas dos observatórios de controle social. A pesquisa documental foi outro instrumento de coleta de dados usado cujos achados contribuíram para observar que a produção de conhecimento sobre gestão social no cerne do (OSB) se dá em espaços de discussão, de diálogo e também de embates, os quais induzem a reflexão entre os atores envolvidos no contexto de cidades justas e sustentáveis. Porém, verificou-se que há, por vezes, informações pouco disseminadas o que torna o diálogo menos qualificado e traz grandes desafios para a produção de conhecimento de forma compartilhada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júnia Fátima do Carmo Guerra, Universidade do Estado de Minas Gerais

Doutora em Administração pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, pós-doutora em Administração pela Universidade do Amazonas e professora efetiva da Faculdade de Políticas Públicas da Universidade do Estado de Minas Gerais.

Mário Vasconcellos Sobrinho, Universidade do Amazonas

Economista (1987), Mestre em Planejamento do Desenvolvimento pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA) da Universidade Federal do Pará (2000). PhD em Estudos do Desenvolvimento (2007) pelo Centre for Development Studies (CDS), University of Wales Swansea (Reino Unido). Pós-doutor em Gestão Pública e Governo (2015) pela EAESP da Fundação Getúlio Vargas (FGV). É economista da Universidade Federal do Pará, professor Programa de Pós-graduação em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento Local do Núcleo de Meio Ambiente da UFPA (NUMA/UFPA), programa o qual coordenou entre fevereiro de 2012 a Janeiro de 2016. É pesquisador e professor titular da Universidade da Amazônia onde leciona no Programa de Pós-Graduação em Administração, linha de pesquisa Gestão do Desenvolvimento

Referências

ABRAMOVAY, R. (2000). O Capital Social dos Territórios: repensando o desenvolvimento rural. Economia Aplicada. 4(2) abr/jun.

ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L. (2004). Informação e Conhecimento na Inovação e no Desenvolvimento Social. Ci. Inf. 33(3), 9-16, set/dez. Brasília.

ALLEBRANDT, S. L.; MARIN FILHO, C. J.; CERATTI, L. L. (2012). Gestão Social no Contexto de Políticas Públicas e Federais: leituras da experiência no território da cidadania noroeste colonial. In: CANÇADO et al (org.) Gestão Social: aspectos teóricos e aplicações.Ed. Unijui. Ijui. 157-192.

BAUM,AN, Z. (2008). A Sociedade Individualizada: vidas cotidianas e histórias vividas. Rio de Janeiro Ed. Jorge Zahar.

CHANLAT, J. F. (2000). Ciências Sociais e Management: reconciliando o econômico com o social. São Paulo, Atlas.

CARRION, R. S. M. (2008). O Desafio de Desenvolver Competências em Gestão Social: relato da experiência com a Residência Solidária/UFRGS. In Gestão Social: Práticas em Debates, Teorias em Construção (Laboratório Interdisciplinar de Estudos em Gestão Social). Juazeiro do Norte: UFC.

FISCHER, T. M. (2002). Poderes locais, gestão e desenvolvimento. Salvador: Casa da Qualidade.

FRANÇA-FILHO, G. C. Definindo gestão social. (2008). In J. T. Silva JR, R. T. Mâsih, A. C. CANÇADO, & P. C. SCHOMMER. Gestão Social. Práticas em debate, teorias em construção (pp. 26-37). Juazeiro do Norte – CE, Liegs/UFC.

FREIRE, P. (1987). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

LAVE, J. e WENGER E. (1991). Situated learning: legitimate peripheral participation. New York: Cambridge University Press, 11ª reimpressão.

MACHADO, J. A. (2007). Ativismo em rede e conexões identitárias: novas perspectivas para os movimentos sociais. Sociologias, ano 9 (18), p. 248-285.

Downloads

Publicado

2020-06-18

Edição

Seção

Controle Governamental, Prevenção e Combate da Corrupção