Nuances da Adesão Institucional ao Plano Mineiro de Promoção da Integridade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36428/revistadacgu.v12i21.167

Resumo

O enfrentamento preventivo da corrupção como enfoque alternativo de controle tem ganhado corpo nas organizações a partir da consolidação de políticas e programas de promoção da integridade. No âmbito de um contexto específico referente à implementação do Plano Mineiro de Promoção da Integridade (PMPI), este artigo objetiva analisar o movimento pela institucionalização das ações pró-integridade pública em Minas Gerais, avaliando condições mais ou menos favoráveis à adesão e ao sucesso da iniciativa em órgãos estaduais. Utilizou-se modelo de análise próprio, extraído de alguns paradigmas da Teoria das Organizações: interacionismo dos objetivos institucionais com a causa anticorrupção, protagonismo, sobrevivência e empreendedorismo institucionais. Na pesquisa qualitativa, foram levantadas percepções de agentes protagonistas da consolidação do PMPI em órgãos e entidades que já aderiram ao processo, por meio de entrevistas e coletas de depoimentos. O trabalho concluiu sobre nuances de cada instituição estudada na implementação do plano, representadas em variações simbólicas no desenho oriundo do modelo de análise. Alguns achados demonstraram o seguinte: o compromisso do órgão de controle estadual com a resposta ao ambiente normativo, coercitivo e simbólico, tanto pela natureza do seu trabalho quanto pela necessidade de estar em conformidade com o macroambiente de controle; a resposta inovadora de uma área finalística relevante, que buscou empreender criativamente a norma de acordo com temáticas particulares, fruto de diagnóstico próprio, ativismo burocrático e diretrizes da própria política; e o voluntarismo institucional de uma fundação estadual politicamente relevante, centrado no protagonismo dos dirigentes máximos. As nuances evidenciadas podem corresponder, na prática, a diferentes intensidades nas respostas aos estímulos e coerções impostos pela Controladoria-Geral do Estado como coordenadora do PMPI no estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Montevechi, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais e mestra em Administração Pública pela Fundação João Pinheiro - Escola de Governo de Minas Gerais (2016), onde também realizou o Programa de Especialização em Administração Pública, com ênfase em Gestão Pública (2014). Graduada em Gestão de Políticas Públicas pela Universidade de São Paulo (USP) em 2010 e certificada em extensão pós-universitária em Administração Pública pela University of La Verne, Califórnia, EUA (2012). Atuou na Controladoria-Geral do Estado de Minas Gerais com políticas preventivas de combate à corrupção e promoção da integridade e controle social, implementando também boas práticas de governança pública e privada e medidas de compliance institucional para toda a Administração Pública mineira. Tem experiência em formulação, implementação, monitoramento e avaliação de diversas políticas públicas, em projetos de responsabilidade social corporativa e sustentabilidade e em engajamento e formação de redes. 

Referências

AVRITZER, Leonardo. Participatory Institutions in Democratic Brazil. Wilson Press/John Hopkins University Press, 2009.

BRASIL, CGU – Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União. Guia de integridade pública: orientações para a administração pública federal: direta, autárquica e fundacional. Brasília, DF: CGU, 2015. Disponível em: http://www.cgu.gov.br/Publicacoes/etica-e-integridade/arquivos/guia-de-integridade-publica.pdf Acesso em novembro de 2018.

CUNHA, Miguel Pina e. Organizações, recursos e a luta pela sobrevivência: análise aos níveis organizacionais e ecológico. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.33, n.5, p.34-47, set./out. 1993.

DAGNINO, Evelina. Construção democrática, neoliberalismo e participação: os dilemas da confluência perversa. Política & Sociedade, n. 5, p. 139-164, out. 2004.

DiMAGGIO, Paul J., POWELL, Walter W. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, v.45, n.2, p.74-89, 2005.

FILGUEIRAS, Fernando. Corrupção, democracia e legitimidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

FILGUEIRAS, Fernando; AVRITZER, Leonardo. Corrupção e controles democráticos no Brasil. In: CUNHA, Alexandre dos Santos; MEDEIROS, Bernardo Abreu de; AQUINO, Luseni Maria C. de. (Ed.). Estado, instituições e democracia: República. Brasília, DF: IPEA, 2010. v. 1.

______. (Coord.). Projeto corrupção, democracia e interesse público. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2010. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/289344724_Corrupcao_democracia_e_interesse_publico Acesso em novembro de 2018.

FLIGSTEIN, Neil. Habilidade social e a teoria dos campos. ERA – Revista da Administração de Empresas. Vol.47, n.2, pp.61-80, 2007. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0034-75902007000200013&lng=pt&tlng=pt Acesso em novembro de 2018.

GOHR, Claudia Fabiana; SANTOS, Luciano Costa. Contexto, conteúdo e processo da mudança estratégica em uma empresa estatal do setor elétrico brasileiro. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v.45, n.6, p. 1673-1706, nov/dez 2011.

HABERMAS, Jürgen. Verdade e Justificação: ensaios filosóficos. Trad. Milton Camargo Mota. São Paulo: Loyola, 2004.

HANNAN, Michael; FREEMAN, John. Ecologia populacional das organizações. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.45, n.3, p.69-104, jul.-set. 2005. Disponível em https://rae.fgv.br/sites/rae.fgv.br/files/ecologia-populacional-organizacoes_0.pdf Acesso em novembro de 2018.

HERNANDES, José Mauro da Costa; CALDAS, Miguel P. Resistência à mudança: uma revisão crítica. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 31-45, abr/jun 2001.

MARIZ, Luiz Alberto da Costa. Pressões da globalização e a resposta criadora. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v.5, n.4, p. 1-14, out-dez 2007.

MINAS GERAIS. Decreto nº 47.185, de 13 de maio de 2017. Dispõe sobre o Plano Mineiro de Promoção da Integridade. Disponível em http://www.age.mg.gov.br/images/stories/downloads/decretos/decreto-47.185.pdf Acesso em novembro de 2018.

MINAS GERAIS, CGE-MG – Controladoria-Geral do Estado de Minas Gerais. Guia de Integridade Públicas: diretrizes para a Administração Pública direta, autárquica e fundacional. Disponível em http://www.cge.mg.gov.br/publicacoes/guias-cartilhas-e-manuais/pmpi-2 Acesso em novembro de 2018.

______. Plano de Integridade da CGE – Resolução CGE nº 31, de 14 de setembro de 2018 (Anexo Único). Disponível em http://www.cge.mg.gov.br/publicacoes/guias-cartilhas-e-manuais/pmpi-2 Acesso em novembro de 2018.

MINAS GERAIS, SES – Secretaria de Estado de Saúde. Plano de Integridade da Saúde – Resolução SES nº 6428, de 15 de outubro de 2018 (Anexo Único).

OCDE – Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Recomendação do Conselho sobre Integridade Pública. Paris, 2017. Disponível em https://www.oecd.org/gov/ethics/integrity-recommendation-brazilian-portuguese.pdf Acesso em novembro de 2018.

PATEMAN, Carole. Participation and democratic theory. Cambridge England: Cambridge University Press, 1970.

THOMPSON, James; McEWEN, W. Objetivos organizacionais e ambiente. In: In: ETZIONI, Amitai (Org.) Organizações complexas. São Paulo: Atlas, 1971.

WARREN, Mark E. What Does Corruption Mean in a Democracy? American Journal of Political Science 48(2):328 – 343. mar, 2004. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/227682794_What_Does_Corruption_Mean_in_a_Democracy Acesso em novembro de 2018.

Downloads

Publicado

2020-06-18

Edição

Seção

Controle Governamental, Prevenção e Combate da Corrupção