Contratações Abertas: uma análise da Nova Lei de Licitações e Contratos Administrativos (nº 14.133/2021) à luz dos princípios de Governo Aberto

Autores

  • Gabriela Boechat Fundação Getúlio Vargas

DOI:

https://doi.org/10.36428/revistadacgu.v14i25.493

Palavras-chave:

contratações públicas; governo aberto; contratações abertas; nova lei de licitações e contratos administrativos; políticas públicas

Resumo

A Nova Lei de Licitações e Contratos Administrativos (nº 14.133/2021) foi sancionada em abril de 2021. O novo marco jurídico brasileiro referente ao procedimento licitatório é considerado uma fusão das legislações anteriores, com poucas inovações efetivas que promovam o combate à corrupção. Um dos possíveis caminhos para o aprimoramento dos mecanismos anticorrupção em procedimentos ou políticas públicas é a adoção dos princípios da agenda internacional intitulada Governo Aberto, por meio do movimento Contratações Abertas. Dessa forma, o esforço deste trabalho se encontra em analisar a nova legislação, com o propósito de compreender os mecanismos da nova lei à luz dos princípios de Governo Aberto. Utiliza-se como critério de análise os níveis de maturidade dos quatro princípios de Governo Aberto, desenvolvido por César Nicandro Cruz-Rubio (2014) com ampliação de Fernanda Campagnucci (2020). Esse modelo de maturidade tem como um de seus objetivos nortear a adoção de políticas públicas ou procedimentos mais abertos, facilitando o monitoramento da evolução dessas ações.  A partir desse modelo, a análise revela que a nova regulamentação dos procedimentos licitatórios e dos contratos administrativos: (i) inovou no princípio de transparência, com o lançamento do Portal Nacional de Contratações Públicas prevendo a abertura dos dados, possibilitando o nível mais avançado de transparência; (ii) se manteve no nível intermediário nos princípios da participação cidadã; (iii) se consolidou no nível avançado em accountability e (iii) possui ainda o nível básico no princípio de inovação tecnológica. A avaliação da nova legislação aponta que não estão sendo utilizados todos os mecanismos possíveis de combate à corrupção, mas que a mesma avança em direção à maior transparência dos procedimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Artigo 19. (2021). Nota técnica de organizações da sociedade civil pela manutenção do Art. 174 - § 5° da nova Lei de Licitações e Contratos Administrativos. Ofício Conjunto. Disponível em: < https://blog.transparencia.org.br/wp-content/uploads/2021/04/Of%C3%ADcio_CN-Sobre-o-veto-presidencial-%C3%A0-cria%C3%A7%C3%A3o-de-base-nacional-de-notas-fiscais-eletr%C3%B4nicas-na-Lei-de-Licita%C3%A7%C3%B5es-1-2.pdf>. Acesso em 13 nov. 2021.

Barros, J. L. R. (2008) Qualidade da democracia e accountability: o Brasil pode ser medido?. Monografia (Especialização em Processo Legislativo) – Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento (Cefor), da Câmara dos Deputados. Brasília.. Disponível em: <http://bd.camara.leg.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/3865/qualidade_democracia_barros.p df?sequence=3> Acesso em 13 nov. 2021.

Bellix, L., Burle, C. S. G., & Machado, J. (2017). Qual conceito de Governo Aberto? Uma aproximação aos seus princípios. GIGAPP Estudios Working Papers, 4(55-59), 78-91.

Bello de Carvalho, D. C. (2020) Abrindo os portões do Pátio Digital: a experiência de governo aberto da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. 33f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialista em Gestão Pública), Insper.

Bergue, S. T. (2011). Modelos de Gestão em Organizações Públicas: Teorias e Tecnologias para Análise e Transformação Organizacional. Ed. 1ª. Editora Educs.

Boff, S. O., Leal, D. J. (2020). Exigibilidade constitucional da sustentabilidade nas contratações pública: normas técnicas e gestão de riscos como instrumento de eficiência. Rev. de Direito Administrativo e Gestão Pública, v. 6, n. 1. P-98-118.

Campagnucci, F. (2020). O último ‘cadeado’ do governo aberto: a ausência da temática open source na OGP e propostas para aprofundar o conceito. VII Encontro Brasileiro de Administração Pública, Brasília/DF.

Carneiro, R., Brasil, F. D. (2016). Control social y las nuevas instituciones participativas: un panorama del caso brasileño pos-1988. Praxis sociológica, n. 21, p. 173-193.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 23 dez. 2021.

Cruz-Rubio, C. N. (2014). Hacia el Gobierno Abierto: uma caja de herramientas. Departamento para la Gestión Pública Efectiva. Organización de los Estados Americanos.

Cruz-Rubio, C. N. (2015) O que é (e o que não é) governo aberto? Uma discussão conceitual. Rev. Temas de Administração Pública, v. 10, n. 1, p. 129-148.

Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm> Acesso em 23 dez. 2021.

Decreto-Lei nº 4.657, de 4 de setembro de 1942. Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del4657compilado.htm>. Acesso em: 23 dez. 2021.

Di Pietro (2020), M. S. Z. Direito Administrativo. 33ª edição. Rio de Janeiro, RJ. Editora Forense.

Fortini, C., Motta, F. (2016). Corrupção nas licitações e contratações públicas: sinais de alerta segundo a Transparência Internacional. A&C – R. de Dir. Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 16, n. 64, p. 83-113.

Gätjen, J. (2014). Open Contracting – what is it and how good is it?. University of Twente Sutdent Theses. International Business Administration BSc. Disponível em: < https://essay.utwente.nl/65272/>. Acesso em 13 de nov. 2021.

Goodin, R. E., Dryzek, J. S. (2006). Deliberative impacts: the macro-political uptake of mini-publics. Politics & Society, 34(2), 219-244

Júnior, E. F. A. (2018). Epítome sobre a licitação como instrumento da corrupção. Tribunal de Contas do Estado do Ceará, Rev. Controle, Fortaleza, v. 16, n.2, p. 402-422.

Lei n. 8.429, de 2 de junho de 1992. Dispõe sobre as sanções aplicáveis em virtude da prática de atos de improbidade administrativa, de que trata o § 4º do art. 37 da Constituição Federal; e dá outras providências. (Redação dada pela Lei nº 14.230, de 2021). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8429.htm>. Acesso em 23 dez. 2021.

Lei nº 8666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/l8666cons.htm>. Acesso em: 23 dez. 2021.

Lei nº 12.257, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º , no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm> Acesso em 23 dez. 2021.

Lei nº 12.846, de 1 de agosto de 2013. Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12846.htm> Acesso em 23 dez. 2021.

Lei nº 14.133, de 1º de abril de 2021. Lei de Licitações e Contratos Administrativos. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2021/lei/L14133.htm>. Acesso em: 23 dez. 2021.

Marchessault, L. (2013). Open Contracting: A New Frontier for Transparency and Accountability. World Bank Institute. Open Contracting Parnership.

Martins Anacleto, E. A. et al. (2021). Minipúblicos e deliberação em compras públicas: Um estudo no Observatório Social do Brasil de Piumhi. Administração Pública e Gestão Social, Universidade Federal de Viçosa, vol. 13, núm. 3.

Meirelles, H. L. (2015). Direito Administrativo Brasileiro. 42ª edição. São Paulo, SP. Malheiros Editores.

Milani, C. R. S. (2008). O princípio da participação social na gestão de políticas públicas locais: uma análise de experiências latino-americanas e europeias. Revista de Administração Pública, v. 42, n. 3.

Nester, A. W. (2020). A nova Lei de Licitações: muita expectativa, pouca evolução, muito trabalho pela frente. Informativo Justen, Pereira, Oliveira e Talamini, Curitiba, n. 166, dez.

OCP. (2016). Why open contracting is essential to open government. Disponível em: < https://www.open-contracting.org/wp-content/uploads/2016/01/OCP2015_Brief-OpenContracting-OGP.pdf> Acesso em: 13 nov. 2021.

OGP. (2015). Open Government Partnership: Articles of governance. Disponível em: https://www.opengovpartnership.org/sites/default/files/attachments/OGP_Articles- Gov_Apr-21-2015.pdf. Acesso em: 13 nov. 2021.

Oliveira, D. J. S. (2020). Governo aberto: análise de políticas públicas sob os princípios de transparência, participação e colaboração. 2020. 304f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Minas Gerais.

O’Donnell, G. (1998). Accountability horizontal e novas poliarquias. Lua Nova (44), pp. 27-54.

Peixoto, J. F. (2019). Governo aberto: métricas para análise da aderência dos estados brasileiros aos princípios da Open Government Partnership. 2019. 141f. Dissertação (Mestrado em Administração Pública) – Fundação João Pinheiro, Escola de Governo Professor Neves de Carvalho.

Ramírez-Alujas, Á. V., Dassen, N. (2012). Gobierno abierto: la ruta hacia una nueva agenda de reforma del Estado y modernización de la administración pública en América Latina y el Caribe. Gobierno abierto y transparencia focalizada. Tendencias y desafíos para América Latina y el Caribe, p. 41-71.

Ramírez-Alujas, Á. V. (2010). Innovación en la Gestión Publica y Open Government (gobierno abierto): Una vieja nueva idea. Revista Buen Gobierno, núm. 9, julio-diciembre, pp. 95-133, 2010.

Reck, J. R., Bitencourt, C. M. (2016). Categorias de análise de políticas públicas e gestão complexa e sistêmica de políticas públicas. A&C – R. de Dir. Adm. Const. Belo Horizonte, ano 16, n. 66, p. 131-151.

Rocha, J. (2021). Derrubado veto à Nova Lei de Licitações. Imprensa Oficial do Estado. Disponível em: < https://www.ioepa.com.br/portal/noticias.aspx?id=38654>. Acesso em 13 nov. 2021.

Rodrigues, R. et al. (2021). Transparência ativa dos Ministérios Públicos brasileiros: sob a ótica da qualidade e disponibilidade. VIII Encontro Brasileiro de Administração Pública, Brasília/DF.

Santos, L. C., Silva, H. V. (2021). Nova Lei de Licitações e suas principais alterações: um norte ao administrador público. Recima21 – Revista Científica Multidisciplinar, v. 2, n.8.

Serra, R. C. C., Carvalho, J. R. C. S., & Carneiro, R. (2012). Accountability democrática e as ouvidorias. Revista do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, edição especial: Transparência e controle social, v. 2012, p. 135-153.

Williams, A. (2015). A global index of information transparency and accountability. Journal of Comparative Economics, v. 43, n. 3, p. 804-824.

Zárate, A. O. (2019). La ruta del gobierno abierto: un viaje que avanza en espiral. Consultor de los ayuntamientos y de los juzgados: Revista técnica especializada en administración local y justicia municipal, n. 4, p. 70-77.

Downloads

Publicado

2022-05-31

Edição

Seção

Dez anos da LAI: trajetórias, avanços e desafios