Alice: Desafios, resultados e perspectivas da ferramenta de auditoria contínua de compras públicas governamentais com uso de inteligência artificial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36428/revistadacgu.v14i26.530

Palavras-chave:

Automação robótica de processos, Auditoria Contínua, Alice, Compras públicas, alertas

Resumo

As compras governamentais são realizadas para implementar políticas e prestar serviços públicos de forma satisfatória à sociedade. As compras realizadas pelo Governo Federal Brasileiro correspondem a  1,5% do Produto Interno Bruto nacional em média (R$ 119 bilhões em 2021). Além do grande volume de recursos, o processo de compras públicas é percebido como muito vulnerável a fraudes (OECD, 2018). Considerando a relevância, os valores e os riscos envolvidos a Controladoria-Geral da União criou a Analisadora de Licitações, Contratos e Editais (Alice) com o objetivo agregar valor à gestão pública com uma atuação preventiva e tempestiva em relação às compras públicas. O sistema coleta diariamente, de forma automática, informações sobre os processos em curso nas principais plataformas de compras públicas do Governo Federal, avalia um conjunto de riscos e emite alertas para direcionar a atenção dos auditores e dos gestores envolvidos a situações que fogem ao padrão referencial. É, portanto, uma ferramenta de Auditoria Contínua, com funcionamento de automação robótica de processos, que emite alertas sobre possíveis problemas em compras públicas. A Alice acumula resultados positivos cotidianamente. Já são mais de R$ 9,7 bilhões em compras suspensas a partir de suas indicações, apenas pela CGU. No caminho até o alcance desses resultados a CGU vivenciou grandes desafios descritos nesse relato. O ponto crucial para o sucesso da ferramenta foi a integração de seus resultados ao processo de trabalho ordinário da Casa, com forte patrocínio da alta administração. A ferramenta agora evolui para adição de mais funcionalidades que usam técnicas de inteligência artificial e para a agregação de novas bases de dados.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Andre Luiz Monteiro da Rocha

    André Luiz Monteiro da Rocha, Engenheiro de Computação, pela Universidade Católica Dom Bosco. Pós-graduando em Prevenção e Combate a Desvios de Recursos Públicos, pela Universidade Federal de Lavras (em conclusão). Auditor Federal de Finanças e Controle da Controladoria-Geral da União desde 2006. Atuou como Coordenador-Geral de Auditoria de Tecnologia da Informação da CGU, entre 2018 e 2020, e como Coordenador-Geral de Inteligência de Dados em 2021, em Brasilia-DF. Atualmente exerce suas atribuições no Núcleo de Ações Especiais da CGU-Regional Mato Grosso do Sul.

  • Matheus Scatolino de Rezende

    Matheus Scatolino de Rezende é Auditor Federal de Finanças e Controle desde 2012. Especialista em Ciência de Dados aplicada a Políticas Públicas pela Escola Nacional de Administração Pública (ENAP). Bacharel em Ciência da Computação pela PUC Minas e Administração pela UFMG. Certificado em Auditoria de Sistemas da Informação (CISA-ISACA) e em Gestão de Riscos (C31000). Atualmente é Chefe de Divisão da Coordenação-Geral de Auditoria de Tecnologia da Informação (CGATI) da SFC/CGU, tendo atuado como Coordenador-Geral da CGATI no período entre 2020 e 2022.

Referências

AICPA. (2015). Audit Analytics and Continuous Audit: Looking Toward the Future. New York: American Institute of Certified Public Accountants, Inc.

Bosio, E., Djankov, S., Glaeser, E., & Shleifer, A. (2020). Public Procurement in Law and Practice. American Economic Review, 112(4), 1091-1117. doi:DOI 10.3386/w27188

BRASIL. (2017, 11 22). Decreto nº9.203 de 22/11/2017. Dispõe sobre a política de governança da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Brasília. Retrieved 04 14, 2022, from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/d9203.htm

CGU. (2017). Manual de Orientações Técnicas da Atividade de Auditoria Interna Governamental do Poder Executivo Federal. Brasília: Controladoria-Geral da União. Retrieved Abr 12, 2022, from https://www.gov.br/defesa/pt-br/arquivos/lai/auditoria/ciset/manuais-normativos-e-pop/manual_orient_tecnica_atividade_auditoria_interna_governamental.pdf

CGU. (2022). Relatório de Gestão CGU 2021. Brasília: Controladoria-Geral da União. Retrieved Abr 12, 2022, from https://repositorio.cgu.gov.br/bitstream/1/67793/8/Livro_Relatorio_Gestao_2021_v2.pdf

Chan, D., Chiu, V., & Vasarhelyi, M. (2018). Continuous Auditing: Theory and Application. Bingley: Emerald Publishing Limited.

Costa, M., & Bastos, P. (2020). Alice, Monica, Adele, Sofia, Carina e Ágata: o uso da inteligência artificial pelo Tribunal de Contas da União. Revista do Tribunal de Contas do Estado de Goiás, 11-34.

Fantina, R., Storozhuk, A., & Goyal, K. (2022). Introducing Robotic Process Automation to Your Organization: A Guide for Business Leaders. New York: Apress. doi:https://doi.org/10.1007/978-1-4842-7416-3

Fortini, C., & Motta, F. (2016). Corrupção nas licitações e contratações públicas: sinais de alerta segundo a Transparência Internacional. Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Ano 16 n. 64(Abril/Junho - 2016), 93-113.

IIA. (2009). Global Technology Audit Guide (GTAG) 13 - Fraud Prevention and Detection in an Automated World. Altamore Springs: The Institute of Internal Auditors Inc.

OECD. (2018). The MAPS Analytical Framework. Retrieved Abril 27, 2022, from Methodology for Assessing Procurement Systems (MAPS): https://www.mapsinitiative.org/methodology/

OECD. (2021). Government at a Glance 2021. Paris: OECD Publishing. doi:https://doi.org/10.1787/1c258f55-en

Oliveira, E., Pedrosa, C., Silva, S., Costa, W., & Silva, J. (2021). O Uso de Tecnologias Para Detecção de Fraudes na Pandemia da Covid-19. Revista Contabilidade e Controladoria, 13(1), 156-177.

Panis, A., Isidro, A., Carneiro, D., Montezano, L., Resende Junior, P., & Sano, H. (2021). Inovação em compras públicas: Atividades e resultados no caso do robô Alice da Controladoria-Geral da União. Cadernos Gestão Pública e Cidadania (CGPC), 27(86), 1-19. doi:https://doi.org/10.12660/cgpc.v27n86.83111

Ribeiro, C. G., & Inácio Júnior, E. (2019). O Mercado de Compras Governamentais Brasileiro (2006-2017): mensuração e análise. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – ipea. Retrieved from https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=34850

Riedel, L., & Ferreira, L. (2021). Aplicabilidade do compliance com o suporte da inteligência artificial no combate a corrupção nos processos licitatórios. In A. Vasconcelos, Ciências Jurídicas: Fundamentação, participação e efetividade (pp. 78-90). Ponta Grossa: Atena Editora. doi:10.22533/at.ed.906211506

SFC/CGU. (2021). Relatório Gerencial: Capacidade operacional da atividade de auditoria interna governamental da CGU em 2021. Brasília: Secretaria Federal de Controle Interno.

Tátrai, T., & Németh, A. (2018, Mai 14). Improving red flag instruments for public procurement. ERA Fórum, 267-285. doi:https://doi.org/10.1007/s12027-018-0513-8

VARGAS, R. (2009). Gerenciamento de projetos - Estabelecendo diferenciais competitivos (7a ed.). Rio de Janeiro: Brasport Livros e Multimídia Ltda.

Downloads

Publicado

2022-12-20

Edição

Seção

Ciência de Dados na Administração Pública: Desafios e Oportunidades

Como Citar

Alice: Desafios, resultados e perspectivas da ferramenta de auditoria contínua de compras públicas governamentais com uso de inteligência artificial. Revista da CGU, [S. l.], v. 14, n. 26, 2022. DOI: 10.36428/revistadacgu.v14i26.530. Disponível em: https://revista.cgu.gov.br/Revista_da_CGU/article/view/530.. Acesso em: 28 fev. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 226

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.