Alice: Desafios, resultados e perspectivas da ferramenta de auditoria contínua de compras públicas governamentais com uso de inteligência artificial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36428/revistadacgu.v14i26.530

Palavras-chave:

Automação robótica de processos, Auditoria Contínua, Alice, Compras públicas, alertas

Resumo

As compras governamentais são realizadas para implementar políticas e prestar serviços públicos de forma satisfatória à sociedade. As compras realizadas pelo Governo Federal Brasileiro correspondem a  1,5% do Produto Interno Bruto nacional em média (R$ 119 bilhões em 2021). Além do grande volume de recursos, o processo de compras públicas é percebido como muito vulnerável a fraudes (OECD, 2018). Considerando a relevância, os valores e os riscos envolvidos a Controladoria-Geral da União criou a Analisadora de Licitações, Contratos e Editais (Alice) com o objetivo agregar valor à gestão pública com uma atuação preventiva e tempestiva em relação às compras públicas. O sistema coleta diariamente, de forma automática, informações sobre os processos em curso nas principais plataformas de compras públicas do Governo Federal, avalia um conjunto de riscos e emite alertas para direcionar a atenção dos auditores e dos gestores envolvidos a situações que fogem ao padrão referencial. É, portanto, uma ferramenta de Auditoria Contínua, com funcionamento de automação robótica de processos, que emite alertas sobre possíveis problemas em compras públicas. A Alice acumula resultados positivos cotidianamente. Já são mais de R$ 9,7 bilhões em compras suspensas a partir de suas indicações, apenas pela CGU. No caminho até o alcance desses resultados a CGU vivenciou grandes desafios descritos nesse relato. O ponto crucial para o sucesso da ferramenta foi a integração de seus resultados ao processo de trabalho ordinário da Casa, com forte patrocínio da alta administração. A ferramenta agora evolui para adição de mais funcionalidades que usam técnicas de inteligência artificial e para a agregação de novas bases de dados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monteiro da Rocha Monteiro da Rocha

André Luiz Monteiro da Rocha, Engenheiro de Computação, pela Universidade Católica Dom Bosco. Pós-graduando em Prevenção e Combate a Desvios de Recursos Públicos, pela Universidade Federal de Lavras (em conclusão). Auditor Federal de Finanças e Controle da Controladoria-Geral da União desde 2006. Atuou como Coordenador-Geral de Auditoria de Tecnologia da Informação da CGU, entre 2018 e 2020, e como Coordenador-Geral de Inteligência de Dados em 2021, em Brasilia-DF. Atualmente exerce suas atribuições no Núcleo de Ações Especiais da CGU-Regional Mato Grosso do Sul.

Matheus Scatolino de Rezende

Matheus Scatolino de Rezende é Auditor Federal de Finanças e Controle desde 2012. Especialista em Ciência de Dados aplicada a Políticas Públicas pela Escola Nacional de Administração Pública (ENAP). Bacharel em Ciência da Computação pela PUC Minas e Administração pela UFMG. Certificado em Auditoria de Sistemas da Informação (CISA-ISACA) e em Gestão de Riscos (C31000). Atualmente é Chefe de Divisão da Coordenação-Geral de Auditoria de Tecnologia da Informação (CGATI) da SFC/CGU, tendo atuado como Coordenador-Geral da CGATI no período entre 2020 e 2022.

Referências

AICPA. (2015). Audit Analytics and Continuous Audit: Looking Toward the Future. New York: American Institute of Certified Public Accountants, Inc.

Bosio, E., Djankov, S., Glaeser, E., & Shleifer, A. (2020). Public Procurement in Law and Practice. American Economic Review, 112(4), 1091-1117. doi:DOI 10.3386/w27188

BRASIL. (2017, 11 22). Decreto nº9.203 de 22/11/2017. Dispõe sobre a política de governança da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Brasília. Retrieved 04 14, 2022, from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/d9203.htm

CGU. (2017). Manual de Orientações Técnicas da Atividade de Auditoria Interna Governamental do Poder Executivo Federal. Brasília: Controladoria-Geral da União. Retrieved Abr 12, 2022, from https://www.gov.br/defesa/pt-br/arquivos/lai/auditoria/ciset/manuais-normativos-e-pop/manual_orient_tecnica_atividade_auditoria_interna_governamental.pdf

CGU. (2022). Relatório de Gestão CGU 2021. Brasília: Controladoria-Geral da União. Retrieved Abr 12, 2022, from https://repositorio.cgu.gov.br/bitstream/1/67793/8/Livro_Relatorio_Gestao_2021_v2.pdf

Chan, D., Chiu, V., & Vasarhelyi, M. (2018). Continuous Auditing: Theory and Application. Bingley: Emerald Publishing Limited.

Costa, M., & Bastos, P. (2020). Alice, Monica, Adele, Sofia, Carina e Ágata: o uso da inteligência artificial pelo Tribunal de Contas da União. Revista do Tribunal de Contas do Estado de Goiás, 11-34.

Fantina, R., Storozhuk, A., & Goyal, K. (2022). Introducing Robotic Process Automation to Your Organization: A Guide for Business Leaders. New York: Apress. doi:https://doi.org/10.1007/978-1-4842-7416-3

Fortini, C., & Motta, F. (2016). Corrupção nas licitações e contratações públicas: sinais de alerta segundo a Transparência Internacional. Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Ano 16 n. 64(Abril/Junho - 2016), 93-113.

IIA. (2009). Global Technology Audit Guide (GTAG) 13 - Fraud Prevention and Detection in an Automated World. Altamore Springs: The Institute of Internal Auditors Inc.

OECD. (2018). The MAPS Analytical Framework. Retrieved Abril 27, 2022, from Methodology for Assessing Procurement Systems (MAPS): https://www.mapsinitiative.org/methodology/

OECD. (2021). Government at a Glance 2021. Paris: OECD Publishing. doi:https://doi.org/10.1787/1c258f55-en

Oliveira, E., Pedrosa, C., Silva, S., Costa, W., & Silva, J. (2021). O Uso de Tecnologias Para Detecção de Fraudes na Pandemia da Covid-19. Revista Contabilidade e Controladoria, 13(1), 156-177.

Panis, A., Isidro, A., Carneiro, D., Montezano, L., Resende Junior, P., & Sano, H. (2021). Inovação em compras públicas: Atividades e resultados no caso do robô Alice da Controladoria-Geral da União. Cadernos Gestão Pública e Cidadania (CGPC), 27(86), 1-19. doi:https://doi.org/10.12660/cgpc.v27n86.83111

Ribeiro, C. G., & Inácio Júnior, E. (2019). O Mercado de Compras Governamentais Brasileiro (2006-2017): mensuração e análise. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – ipea. Retrieved from https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=34850

Riedel, L., & Ferreira, L. (2021). Aplicabilidade do compliance com o suporte da inteligência artificial no combate a corrupção nos processos licitatórios. In A. Vasconcelos, Ciências Jurídicas: Fundamentação, participação e efetividade (pp. 78-90). Ponta Grossa: Atena Editora. doi:10.22533/at.ed.906211506

SFC/CGU. (2021). Relatório Gerencial: Capacidade operacional da atividade de auditoria interna governamental da CGU em 2021. Brasília: Secretaria Federal de Controle Interno.

Tátrai, T., & Németh, A. (2018, Mai 14). Improving red flag instruments for public procurement. ERA Fórum, 267-285. doi:https://doi.org/10.1007/s12027-018-0513-8

VARGAS, R. (2009). Gerenciamento de projetos - Estabelecendo diferenciais competitivos (7a ed.). Rio de Janeiro: Brasport Livros e Multimídia Ltda.

Downloads

Publicado

2022-12-20

Como Citar

OLIVEIRA, T. C.; MONTEIRO DA ROCHA, A. L.; SCATOLINO DE REZENDE, M. Alice: Desafios, resultados e perspectivas da ferramenta de auditoria contínua de compras públicas governamentais com uso de inteligência artificial. Revista da CGU, [S. l.], v. 14, n. 26, 2022. DOI: 10.36428/revistadacgu.v14i26.530. Disponível em: https://revista.cgu.gov.br/Revista_da_CGU/article/view/530. Acesso em: 29 jan. 2023.

Edição

Seção

Ciência de Dados na Administração Pública: Desafios e Oportunidades