Mineração de Processos como Ferramenta para Promoção da Transparência: Oportunidades e Desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36428/revistadacgu.v15i27.567

Palavras-chave:

transparência pública, mineração de processos, gestão de produtos de saúde, jurimetria

Resumo

A transparência pública possibilita o exercício da democracia tanto pela orientação a melhores práticas de gestão por parte das instituições públicas como pela promoção da participação ativa dos cidadãos na gestão pública. A transparência é uma conduta essencial em um contexto democrático e sua prática deve ser continuamente incentivada e aperfeiçoada, principalmente considerando as possibilidades que emergem de novas tecnologias, incluindo as tecnologias relacionadas à gestão da informação. Neste ensaio, exploramos o potencial da mineração de processos como um agente tecnológico de apoio à transparência pública. A capacidade da mineração de processos em possibilitar a análise visual e analítica dos dados relacionados aos registros de execução de processos no âmbito da administração pública, bem como sua capacidade de permitir modelagem preditiva e prescritiva, traz oportunidades para o entendimento do funcionamento da máquina pública, para monitoramento e análise de seu desempenho, incluindo a proposição de ações para otimização do processo  e para verificação de conformidade com normativas, por parte tanto de órgãos de controle como também dos cidadãos. Nós discutimos oportunidades de uso da mineração de processos para promoção da transparência pública a partir de estudos exploratórios anteriores em dois contextos: na área da saúde (considerando o processo de gestão de produtos de saúde da agência de vigilância sanitária nacional) e na área jurídica (considerando a tramitação de processos jurídicos no maior tribunal do Brasil). Reconhecendo, ainda, que tecnologias são ferramentas paradoxais que trazem tanto facilidades como incongruências, discutimos alguns potenciais desafios para a adoção da mineração de processos para a transparência na administração pública observados a partir dos estudos.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Renata Mendes de Araujo, Universidade Presbiteriana Mackenzie

    Professora na Faculdade de Computação e Informática e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Computação Aplicada da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação da EACH-USP. Pesquisadora do Doutorado Profissional em Administração Pública da ENAP. Pesquisadora convidada do LUDES-Laboratório de Ludologia, Engenharia e Simulação da COPPE/UFRJ. Bolsista de Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora pelo CNPq. Possui graduação em Informática pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992), mestrado (1994) e doutorado (2000) em Engenharia de Sistemas e Computação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Possui mais de 20 anos de experiência em pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação na área de Computação, com ênfase em Sistemas de Informação, atuando principalmente nos seguintes temas: governo e democracia digital, gestão da inovação, gestão de processos de negócio e sistemas colaborativos. Coordena o Grupo de Pesquisa e Inovação em Ciberdemocracia (CIBERDEM)(ciberdemack.com.br).

  • Sarajane Marques Peres, Universidade de São Paulo

    Professora-pesquisadora associada na Universidade de São Paulo, Sarajane Marques Peres possui graduação em Ciência da Computação pela Universidade Estadual de Maringá (1996), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999) e doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual de Campinas (2006). Possui livre docência em Aprendizado de Máquina e Inteligência Computacional pela Universidade de São Paulo. Atualmente trabalha em regime de dedicação exclusiva, com credenciamento pleno no Programa de Pós Graduação em Sistemas de Informação da USP. É membra do quadro de pesquisadores do C4AI - Center for Artificial Intelligence (USP/IBM/Fapesp) e do AI2 - Advanced Institute for Artificial Intelligence, e vice-diretora do Núcleo de Pesquisas em Novas Arquiteturas Pedagógicas (NAP). Durante agosto de 2018 a dezembro de 2018 atuou como pesquisadora na Vrije Universiteit Amsterdam, nos Países Baixos, e durante janeiro de 2019 a junho de 2019 atuou como pesquisadora na Utrecht University, Países Baixos. Tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Inteligência Computacional. Atualmente está pesquisando na área de Reconhecimento de Padrões aplicado a Análise de Gestos, Mineração de Textos e Mineração de Processos, e na área de interação homem-máquina usando robôs sociais. É autora do livro didático: Introdução à Mineração de Dados: com aplicações em R, publicado como parte da Série Elsevier - SBC. Foi tutora do grupo PET-Sistemas de Informação (Programa PET - Sesu/MEC) de 2010 a 2018

  • Marcelo Fantinato, Universidade de São Paulo

    Bacharel em Ciência da Computação (UEM, 1999); Mestre em Engenharia Elétrica (Unicamp, 2002); Doutor em Ciência da Computação (Unicamp, 2007); Livre-docente em Gestão de Processos de Negócio (USP, 2014). Possui certificação Green Belt no programa de melhoria de qualidade Six Sigma (Motorola, 2007). É Professor Associado na Universidade de São Paulo (USP), na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), do curso de Bacharelado em Sistemas de Informação e do Programa de Pós-graduação em Sistemas de Informação. É bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq, nível 2. Foi pesquisador convidado na Vrije Universiteit Amsterdam, Países Baixos, em 2018, e na Utrecht University, Países Baixos, em 2019. Foi coordenador do Programa de Pós-graduação em Sistemas de Informação (PPgSI) da USP (2014-2018). Atualmente, é Presidente da Comissão de Pós-graduação da EACH-USP. Tem experiência profissional na indústria de desenvolvimento de software, na Fundação CPqD (Campinas-SP, 2001-2006) e na Motorola Industrial (Jaguariúna-SP, 2006-2008). Foi coordenador geral do CBSoft 2011 (Congresso Brasileiro de Software: Teoria e Prática), coordenador geral do SBSI 2012 (Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação); e coordenador do comitê de programa do SBCARS 2012 (Simpósio Brasileiro de Componentes, Arquiteturas e Reutilização de Software). Principais linhas de pesquisa atuais são: mineração de processos, gestão de processos de negócio (BPM), e brinquedos inteligentes e robôs sociais.

  • Adriana Jacoto Unger, Universidade de São Paulo

    Possui graduação em Engenharia Mecânica - Automação e Sistemas pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (1999) e mestrado em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2018). Atualmente é doutoranda em Sistemas de Informação do PPgSI da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo e membro do grupo de Mineração de Processos da Universidade de São Paulo. É profissional certificada Celonis (Analyst e Data Engineer) e CBPP (Certified Business Process Professional) Blue Seal pela ABPMP (Association of Business Process Management Professionals). Possui mais de 20 anos de experiência profissional na área de BPM (Business Process Management) e gestão por processos. Atualmente está pesquisando na área de Mineração de Processos e Direito e Tecnologia.

  • Thais Rodrigues Neubauer, Universidade de São Paulo

    Bacharel em Sistemas de Informação (USP,  2017); Mestre em Sistemas de Informação (USP, 2020). Atualmente é doutoranda em Sistemas de Informação (USP, 2025), membro do grupo de Mineração de Processos da Universidade de São Paulo e professora no Instituto de Tecnologia e Liderança (São Paulo, 2022). Foi professora de Inteligência Artificial na Faculdade de Informática e Administração Paulista (São Paulo, 2020-2021). Profissional certificada Celonis (Analyst e Data Engineer). Tem experiência profissional como engenheira de dados na Serasa Experian (São Paulo, 2017-2018) e como cientista de dados na  empresa The Next Web (Amsterdam, 2015-2016). Principais linhas de pesquisa são: inteligência computacional, mineração de dados e aprendizado de máquina aplicado à mineração de texto e à mineração de processos.

Referências

Aalst, W. M. P. (2016). Process Mining: Data Science in Action. Springer, 2nd edition.

Alfaro, C., Lav?n, J. M., Gomez, J., & Insua, D. R. R. (2015). ePBPM: A graphical lan-guage supporting interoperability of participatory process. In 2nd Int. Conf. on eDemocra-cy & eGovernment, pages 98–103. IEEE.

Blomkamp, E. (2017). Co-design for government: Magic bullet or magical thinking? In Proc. of the 3rd Int. Conf. on Public Policy (ICPP3), pages 1–25.

Brandsen, T., Steen, T., Verschuere, B. (2018). Co-Production and Co-Creation: Engag-ing Citizens in Public Services. Routledge Critical Studies in Public Management. Tay-lor & Francis.

Brasil (2012). Portal brasileiro de dados abertos. https://dados.gov.br.

Brasil (2017). Fala.br – plataforma integrada de ouvidoria e acesso a? informac?a?o. https://falabr.cgu.gov.br.

Cappelli, C., do Prado Leite, J. C. S., & Oliveira, A. d. P. A. (2007). Exploring business process transparency concepts. In 15th IEEE Int. Requirements Eng. Conf., pages 389–390. IEEE.

Carvalho, L., Cappelli, C., & Santoro, F. (2022). BPMN pra GERAL: a framework to translate BPMN to a citizen language. Bus. Process Manage. J., 28(2):508–531.

da Costa, H. P. & Rodrigues, T. S. (2020). Minerac?a?o de processos aplicada a? gesta?o orc?amenta?ria da Marinha do Brasil. Revista Brasileira de Planejamento e Orc?amento, 10(1).

De Classe, T. M., De Araujo, R. M., Xexe?o, G. B., & Siqueira, S. W. M. (2021). Public processes are open for play. Digit. Gov.: Res. Pract., 2(4).

Diirr, B., Araujo, R. M., & Cappelli, C. (2014). Encouraging society participation through conversations about public service processes. Int. J. of Electron. Gov. Res., 10:22–42.

Dominguez, G. & Gerbasi, N. (2020). Govtechs e o futuro do governo: o ecossistema govtech no Brasil: Novas tecnologias e novas parcerias pu?blico-privadas para melhorar os servic?os pu?blicos. Caracas: CAF. http://scioteca.caf.com/handle/123456789/1586

Dumas, M., Rosa, M. L., Mendling, J., & Reijers, H. A. (2018). Fundamentals of Business Process Management. Springer, 2nd edition.

Engiel, P., Araujo, R., & Cappelli, C. (2014). Designing public service process models for understandability. Electron. J. of e-Gov., 12(1):95–111.

Erkkila?, T. (2020). Transparency in public administration. In Oxford Research Encyclopedias. Oxford University Press. https://doi.org/10.1093/acrefore/9780190228637.013.1404

Gomes, J. & Araujo, R. (2012). Promovendo a compreensa?o de regras em processos de prestac?a?o de servic?os pu?blicos utilizando a animac?a?o. In Anais do IV Workshop de Com-putac?a?o Aplicada em Governo Eletro?nico, pages 25–32. Sociedade Brasileira de Computa-ção..

Gonza?lez, L. & Delgado, A. (2021). Towards compliance requirements modeling and evaluation of e-government inter-organizational collaborative business processes. In Proc. of the Annu. Hawaii Int. Conf. on Syst. Sci., pages 2079–2088.

Lahtrop, D. & Ruma, L. (2010). Open government: collaboration, transparency, and participation in practice. O’Reilly Media, 1 edition.

Laitinen, I., Kinder, T., & Stenvall, J. (2018). Co-design and action learning in local pub-lic services. J. of Adult and Continuing Educ., 24(1):58–80.

Lang, K. R., & Jarvenpaa, S. (2005). Managing the paradoxes of mobile technology. Infor-mation systems management, 22(4), 7-23.

Lei 12.527, de 18 de novembro de 2011. (2011). Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Cons-tituição Federal. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm

Lei n. 14.129, de 29 de março de 2021. (2021). Dispõe sobre princípios, regras e instrumen-tos para o Governo Digital e para o aumento da eficiência pública. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2021/lei/l14129.htm

Martin, N., Fischer, D., Kerpedzhiev, G., Goel, K., Leemans, S. J. J., Ro?glinger, M. van der Aalst, W., Dumas, M., La Rosa, M., & Wynn, M. T. (2021). Opportunities and challenges for process mining in organizations: results of a Delphi study. Business & In-formation Systems Engineering, 63(5), 511-527.

Mota, H. E. C., Filho (2022). A governança pública da informação: transparência e segu-rança jurídica. Cadernos Jurídicos, v. 2, n.3. Banco Nacional de Desenvolvimento Eco-nômico e Social. http://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/22445

Open Government Partnership. (2011). Declarac?a?o de governo aberto. www.gov.br/cgu/pt-br/governo-aberto/central-de-conteudo/documentos/arquivos/declaracao-governo-aberto.pdf.

Oliveira, R., Cappelli, C., and Santoro, F. (2020). Camelot – tradutor semiautoma?tico de processos em BPMN para modelos compreens??veis aos cidada?os. In Anais do VIII Workshop de Computac?a?o Aplicada em Governo Eletro?nico, pages 1–11. SBC.

Object Management Group (2011). Business process model and notation specification. www.omg.org/spec/BPMN/2.0.

O'Reilly, T. (2011). Government as a Platform. Innovations: Technology, Governance, Globali-zation, 6(1), 13-40.

Raupp, F. M. (2022). A transparência passiva nos maiores municípios brasileiros passados dez anos da Lei de Acesso à Informação. Revista da CGU. v. 14 n. 25. https://doi.org/10.36428/revistadacgu.v14i25.484

Sangil, M. J. (2020). Heuristics-based process mining on extracted philippine public pro-curement event logs. In Int. Conf. on Behav. and Social Comput., pages 1–4.

Schedler, A. (1999) Conceptualizing accountability. In: Schedler, A.; Diamond, L.; Platt-ner, M. F. (Eds.). The self-restraining state. Power and accountability in new democra-cies. Boulder and London: Lynne Rienner Publishers, 1999.

Weske, M. (2007). Business Process Management: Concepts, Languages, Architectures. Springer, 2nd edition.

Downloads

Publicado

07/07/2023

Edição

Seção

Ciência de Dados na Administração Pública: Desafios e Oportunidades (compl.)

Como Citar

Mineração de Processos como Ferramenta para Promoção da Transparência: Oportunidades e Desafios. Revista da CGU, [S. l.], v. 15, n. 27, 2023. DOI: 10.36428/revistadacgu.v15i27.567. Disponível em: https://revista.cgu.gov.br/Revista_da_CGU/article/view/567.. Acesso em: 18 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 229

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.