Programas de Gerenciamento de Riscos Corporativos (Programas de ERM) e Taxonomia, uma revisão da literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36428/revistadacgu.v15i28.645

Palavras-chave:

Taxonomia, Gerenciamento de riscos corporativos, ERM

Resumo

Os programas de gerenciamento de riscos corporativos são instrumentos indicados para gerenciar o risco na criação, preservação e realização de valor pelas organizações. O resultado gerado pelos programas de ERM é alvo de diversos estudos, o que levanta o interesse sobre tais resultados. Reconhecer o impacto dos riscos nos negócios da organização e vice-versa é um desafio cuja solução pode melhorar a resposta do programa de ERM e a resiliência operacional da organização. A taxonomia, ferramenta aplicada com sucesso em diversas áreas do conhecimento, porém pouco evidente na literatura de gerenciamento de riscos, surge como potencial solução para aprimoramento dos programas de ERM. Propõe-se, por meio da pesquisa bibliográfica: i) identificar os resultados provenientes da implementação dos programas de ERM, a partir da revisão da literatura sobre o tema; ii) analisar a viabilidade da taxonomia para uso no contexto do gerenciamento de riscos corporativos. Os resultados obtidos indicam que: i) são prevalentes os estudos que defendem resultados positivos, inclusive financeiros, decorrentes da implementação de programas de ERM. A literatura sugere que programas eficazes de ERM podem entregar valor que vai além do benefício do compliance, gerando resultados que tendem a superar o resultado dos pares do setor que não adotaram tais programas. ii) embora incipiente na literatura de gerenciamento de riscos, a taxonomia representa ferramenta com potencial de evoluir os programas de ERM, com benefícios esperados em pelo menos três pontos: a) estabelecimento de uma linguagem comum para comunicação sobre riscos diversos existentes nos negócios da organização; b) vinculação de eventos adversos e diversos, presentes nos negócios, aos elementos que caracterizam os principais riscos corporativos; c) possibilidade de agregação de informações de risco ao nível dos principais
riscos corporativos.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Mário Sérgio dos Santos Martins, Banco do Brasil

    Licenciado em Matemática pela (UFMA, 2004), Especialista em Estatística Aplicada (UDF), MBA em Gestão de Crédito (FGV), Especialista em Controladoria e Finanças Corporativas (Unieuro, 2022). Auditor Interno de instituição financeira, com atuação prévia na Diretoria de Crédito da instituição, entre outras unidades.  Atua há mais de 14 anos com desafios em análise de dados e estatística aplicada.

Referências

Andersen, T. J., Sax, J., & Giannozzi, A. (2021). Conjoint effects of interacting strategy-making processes and lines of defense practices in strategic Risk Management: An empirical study. Long Range Planning, 55(6), 102164. https://doi.org/10.1016/j.lrp.2021.102164

Banco Central do Brasil. (2017, January 3). Resolução CMN 4557, de 23 de fevereiro 2017.

Bertinetti, G. S., Cavezzali, E., & Gardenal, G. (2013, August 1). The effect of the enterprise risk management implementation on the firm value of European companies. Ideas.repec.org. https://ideas.repec.org/p/vnm/wpdman/46.html

Bloom, B. S., Engelhart, M. D., Furst, E. J., Hill, W. H., & Krathwohl, D. R. (1956). Taxonomy of educational objectives. Longman.

Branson, B., & Hancock, B. (2021). THE STATE OF RISK OVERSIGHT. https://erm.ncsu.edu/az/erm/i/chan/library/2021-risk-oversight-report-erm-ncstate.pdf

Callahan, C., & Soileau, J. (2017). Does Enterprise risk management enhance operating performance? Advances in Accounting, 37, 122–139. https://doi.org/10.1016/j.adiac.2017.01.001

Chen, Y.-L., Chuang, Y.-W., Huang, H.-G., & Shih, J.-Y. (2020). The value of implementing enterprise risk management: Evidence from Taiwan’s financial industry. The North American Journal of Economics and Finance, 54, 100926. https://doi.org/10.1016/j.najef.2019.02.004

COSO. (2017). Gerenciamento de Riscos Corporativos: Integrado com a Estratégia e Performance (Vol. 1).

Cunha, J. H. da C., & Araújo, R. H. de. (2019). USO DA TAXONOMIA COMO FERRAMENTA DE REDUÇÃO DA SUBJETIVIDADE NOS PROCESSOS DE AUDITORIA. Perspectivas Em Ciência Da Informação, 24, 216–231. https://doi.org/10.1590/1981-5344/3174

Dumas, M., Marcello La Rosa, Mendling, J., Reijers, H. A., & Springer-Verlag Gmbh. (2018). Fundamentals of Business Process Management (2nd ed.). Berlin Springer Berlin Springer.

Eckles, D. L., Hoyt, R. E., & Miller, S. M. (2014). Reprint of: The impact of enterprise risk management on the marginal cost of reducing risk: Evidence from the insurance industry. Journal of Banking & Finance, 49(2425904), 409–423. https://doi.org/10.1016/j.jbankfin.2014.10.006

GUIDEHOUSE, & ASSOCIATION FOR FEDERAL ENTERPRISE RISK MANAGEMENT (AFERM). (n.d.). Federal Enterprise Risk Management: 2021 Survey Results. In guidehouse.com (p. 33). Retrieved April 24, 2022, from https://analytics.guidehouse.com/ERM/ERM_Survey_2021.pdf

Hoyt, R., Moore, D., & Liebenberg, A. (2008a). The value of enterprise risk management: Evidence from the U.S. insurance industry.

Hoyt, R., Moore, D., & Liebenberg, A. (2008b). The Value of Enterprise Risk Management: Evidence from the U.S. Insurance Industry.

Kuo, Y.-F., Lin, Y.-M., & Chien, H.-F. (2020). Corporate social responsibility, enterprise risk management, and real earnings management: Evidence from managerial confidence. Finance Research Letters, 41, 101805. https://doi.org/10.1016/j.frl.2020.101805

Malik, M. F., Zaman, M., & Buckby, S. (2020). Enterprise risk management and firm performance: Role of the risk committee. Journal of Contemporary Accounting & Economics, 16(1), 100178. https://doi.org/10.1016/j.jcae.2019.100178

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia cienti?fica. Atlas.

Meulbroek, L. K. (2002). Integrated Risk Management for the Firm: A Senior Manager’s Guide. SSRN Electronic Journal. https://doi.org/10.2139/ssrn.301331

Ojeka, S. A., Adegboye, A., Adegboye, K., Alabi, O., Afolabi, M., & Iyoha, F. (2019). Chief financial officer roles and enterprise risk management: An empirical based study. Heliyon, 5(6), e01934. https://www.academia.edu/es/62413256/Chief_financial_officer_roles_and_enterprise_risk_management_An_empirical_based_study

Pérez-Cornejo, C., de Quevedo-Puente, E., & Delgado-García, J. B. (2019). How to manage corporate reputation? The effect of enterprise risk management systems and audit committees on corporate reputation. European Management Journal, 37(4), 505–515. https://doi.org/10.1016/j.emj.2019.01.005

Quon, T. K., Zeghal, D., & Maingot, M. (2012). Enterprise Risk Management and Firm Performance. Procedia - Social and Behavioral Sciences, 62, 263–267. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2012.09.042

Rincón Soto, C. A., & Lemos De La Cruz, J. E. (2020). Taxonomía contable. Revista Guillermo de Ockham, 18(2), 223–234. https://doi.org/10.21500/22563202.4454

Sharp, A., & Mcdermott, P. (2009). Workflow modeling: tools for process improvement and application development. Artech House.

Simpson, M. G. (2010). Plant systematics. Academic Press.

Downloads

Publicado

09/27/2023

Como Citar

Programas de Gerenciamento de Riscos Corporativos (Programas de ERM) e Taxonomia, uma revisão da literatura. Revista da CGU, [S. l.], v. 15, n. 28, 2023. DOI: 10.36428/revistadacgu.v15i28.645. Disponível em: https://revista.cgu.gov.br/Revista_da_CGU/article/view/645.. Acesso em: 18 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 218

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.